MUNDO VUCA E AS IMPLICAÇÕES PARA A CARREIRA

Foto: pxhere

Nunca foi tão importante conhecer as Driving Forces of Change – e redobrar esforços para lidar com elas

No mundo VUCA (volátil, incerto, complexo e ambíguo) da 4a Revolução Industrial que vivemos atualmente, os profissionais vão ou não crescer na carreira conforme sua capacidade de se antecipar e responder, de forma atual e criativa, ao mix de mudanças que já estão entre nós há um certo tempo:

  • 8,5 bilhões de pessoas em 2030;
  • 41 megalópoles no mundo – 1,6 milhões de pessoas chegando por dia nas grandes cidades, que representa mais consumo na economia e aceleração do crescimento do PIB, principalmente nos mercados emergentes;
  • A densidade populacional vai incentivar novos modelos de negócio de produtos e serviços compartilhados para pessoas sedentas por economizar tempo e esforço;
  • Mudanças significativas no perfil demográfico, com índices de fertilidade em declínio e o aumento significativo da expectativa de tempo de vida, aumentando a participação de pessoas com mais de 65 anos de idade, o que demanda mudanças no perfil de produtos e serviços e injeta dinheiro na economia em função de seu maior poder de compra;
  • A disrupção do mercado vira a nova forma de fazer negócios.

São as chamadas #DrivingForcesOfChange, ou seja, as forças tecnológicas, demográficas, sociais, ambientais e geopolíticas que impactam o mundo que vivemos. E tão importante quanto conhecê-las, é redobrar esforços e se mobilizar, assumindo um mindset de interesse pelo futuro para conseguir responder ao que elas provocam, sendo protagonista na carreira:

  • A longevidade extrema

Consequência direta do avanço na medicina, trata do aumento considerável da expectativa de duração da vida humana. Com mais tempo de vida, as pessoas vão trabalhar por mais tempo, mudar de trabalho com frequência, e, provavelmente, também de carreira. Implicação? A necessidade de aprender, desaprender e reaprender constantemente.

  • A crescente automação do trabalho

As máquinas e sistemas inteligentes já estão presentes muito além das atividades de produção, começando, inclusive, a afetar, de alguma forma, os postos de trabalho. Implicação? A necessidade de estar atento e de se preparar proativamente para adquirir as novas competências emergentes que o mercado de trabalho passa a demandar.

  • Os novos meios de comunicação

Um fenômeno que já está acontecendo faz um certo tempo, mas que vai ganhar muito mais intensidade nos próximos anos. Implicação? A necessidade de adaptar a capacidade de explicar/ propor/ recomendar ideias por meio de novas ferramentas sociais para trabalhar: vídeo, interatividade, RA/ RV, novas mídias sociais, etc.

  • O mundo hiperconectado

O aumento exponencial da conexão coloca foco na diversidade e adaptabilidade dos profissionais. Implicação? A importância de incorporar elementos multiculturais, de automotivação e colaboração virtual, que passam a ser muito úteis e valorizados.

  • O crescente GAP de qualificação

Lidar com os gaps de habilidades emergentes já é um desafio real: funcionários que não tem as habilidades necessárias, posições que não podem ser preenchidas, trabalhadores mais experientes se aposentando e levando seu conhecimento e experiência com eles. Implicação? Uma competição por talentos qualificados.

O fato é que, até 2022, as habilidades necessárias para realizar a maioria dos trabalhos terão mudado significativamente. Considerando tudo isso, o #FórumEconômicoMundial divulgou recentemente seu último relatório sobre o #FuturoDosEmpregos, identificando as competências em declínio e em crescimento. Leia abaixo:

Fonte: Future of Jobs 2018 – World Economic Forum

Disso tudo, o que fica, para mim, como habilidades muito importantes de se ter num futuro muito próximo:

  • Capacidade analítica e de inovação, para compreender e o sentido das informações e conseguir prototipar soluções inovadoras;
  • Pensamento adaptativo, que permita a criação de soluções originais e criativas;
  • Gestão da carga cognitiva, para o necessário upskilling das qualificações;
  • Liderança influente capaz de maximizar o resultado do esforço da força de trabalho e de poder criar situações onde as equipes se sintam motivadas a mudar comportamentos e continuar com a transformação.

Agora é com você: como você pode começar a se preparar já para lidar com as Driving Forces, e ser protagonista da sua carreira?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *