3 RAZÕES PARRA PENSAR EM PERSONAL BRANDING COMO ESTRATÉGIA PARA A GESTÃO DA CARREIRA

Foto de Rodion Kutsaev no Unsplash

A grande explosão de dados dos últimos 15 anos alterou não só a quantidade de informação disponível, como também a forma de trabalhar e de se relacionar. E isso acabou estabelecendo novas regras de atuação no mercado de trabalho. Neste novo ambiente, onde as mídias sociais se proliferam continuamente e a economia GIG ganha dinamismo e fluidez, já é amplamente reconhecido que, para avançar na carreira, o profissional precisa construir sua identidade e reputação a seu favor e se posicionar intencionalmente de acordo a seus objetivos, com clareza, consistência e coerência.

Isso é o que o trabalho de Personal Branding faz: combina e comunica, de forma única, o mix de características, as habilidades e as experiências do profissional, o diferencia da concorrência e constrói sua visibilidade, autoridade e credibilidade, com impacto direto no avanço de sua carreira e nas oportunidades que ele terá.

Embaralhando todos esses elementos e complementando ainda com as projeções de como está se desenhando o futuro do trabalho, aparecem as 3 principais razões para os profissionais precisarem construir suas marcas pessoais e se dedicarem ao Personal Branding:

  1. É cada dia mais comum as empresas tomarem decisões pesquisando e investigando perfis nas mídias sociais: De acordo com uma pesquisa do CareerBuilder de 2018 nos EUA, 43% das empresas usam as mídias sociais para “acompanhar” seus funcionários, para conhecê-los melhor e se protegerem de possíveis arranhões à própria reputação, e 70% usam ativamente a investigação das mídias sociais dos candidatos em seus processos seletivos. Uma presença online construída intencionalmente tem consequências diretas e positivas para a reputação do profissional e consequentemente para sua carreira. Para o profissional participando de processos de seleção, se transforma em forte vantagem competitiva contra todos aqueles outros candidatos que ainda precisam explicar quem são, no que são bons e porque deveriam ser contratados.
  2. Previsões sobre o futuro do trabalho indicam que muito em breve os profissionais passarão a trocar de emprego, em média, a cada 2 ou 3 anos: A estabilidade de trabalhar numa mesma empresa por muitos e muitos anos, coisa comum até pouco tempo atrás, está com os dias contados. Pesquisas indicam que em 2020 – ou seja, já no ano que vem, trabalhadores freelancers representarão 43% da força de trabalho dos EUA, fato que passa a demandar desses profissionais uma estratégia de diferenciação, para que eles consigam se destacar na multidão e ganhar visibilidade e competitividade para enfrentar as frequentes mudanças de trabalho que vêm por aí.
  3. Profissionais com marca pessoal forte também passam a ser uma vantagem competitiva para qualquer empresa: A visibilidade de um funcionário assim repercute positivamente para a empresa e é fonte de atração de talentos, parcerias e negócios. Essa perspectiva das empresas é uma força importante que também precisa ser considerada, porque elas vão passar a preferir e priorizar o profissional que constrói sua identidade e cultiva sua autoridade e visibilidade.

Essas são as 3 razões mais evidentes para os profissionais considerarem trabalhar suas marcas pessoais. Personal Branding é um elemento-chave para a carreira atualmente, e quem não estiver gerenciando efetivamente sua identidade e reputação, sabendo aproveitar as oportunidades diárias que aparecem, já está ficando pra trás. O futuro do trabalho já chegou e ele definitivamente está mudando as regras do jogo na carreira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *