O VALOR DA SUA MARCA

“Atualmente, o Engenheiro Sênior do meu time, o melhor e mais caro da minha equipe, não é Engenheiro… na verdade, ele não tem nem o 2º grau completo.”

Estava eu visitando a Apple lá no Vale do Silício, quando ouvi essa frase da pessoa que nos apresentava a empresa. Lembro que na hora pensei: “Caramba! É disso que estamos falando!”

E ali pude começar a materializar tudo o que temos ouvido sobre o futuro do trabalho.

No dia seguinte, visitando a Netflix, ouvi:

“Não me interessa que faculdade fez, em que se formou… não me interessa nem mesmo se é ou não formado! O que eu quero saber é se a pessoa tem os conhecimentos que eu preciso para o meu projeto e quanto ela quer ganhar por isso…”

Sério, eu podia até ouvir o barulho de mais um paradigma se destruindo dentro da minha cabeça. Quanto a pessoa quer ganhar? Isso mesmo, cada colaborador diz quanto quer ganhar para atuar em determinado projeto e fazer determinada entrega…

Quando falamos sobre o futuro do trabalho, uma das grandes tendências é o aumento da economia GIG, também conhecida como freelance economy, onde cada vez mais a mentalidade de emprego será substituída pela mentalidade de empregabilidade, ou seja, as pessoas estarão menos vinculadas formalmente às empresas e mais dedicadas a trabalhos sob demanda, cruzando seu repertório, conhecimentos e talentos com a necessidade do mercado, e usando todas as suas habilidades para atuar em projetos específicos.

De acordo com esse cenário, eu gostaria de abordar 2 pontos que julgo fundamentais: a importância de conhecer seus talentos e a necessidade de manter-se em um estado de aprendiz.

Conheça seus Talentos!

Quando tudo muda e o que vale não é mais a sua formação, o que vai fazer a diferença no mercado de trabalho é o repertório construído ao longo da vida, ou seja, como você conecta e aplica todas as experiências profissionais e pessoais que já vivenciou para gerar valor e fazer a diferença nos projetos em que atua.

Vale reforçar que a aplicabilidade é fundamental para o atingimento de resultados, pois, se você apenas reconhecer suas experiências, mas não tiver clareza sobre a bagagem que gerou ao longo de seu caminho, como conseguirá vender, aplicar e gerar valor para o seu cliente?

Nesse sentido, a melhor estratégia é se ver – e se trabalhar – como uma marca, conhecendo os seus atributos com profundidade e trabalhando seu posicionamento no mercado em que deseja atuar. É exatamente essa a ideia do processo de Personal Branding: ajudá-lo nessa jornada de autoconhecimento e nas estratégias de posicionamento e comunicação do valor da sua marca pessoal.

Lifelong Learning

Termo em inglês que significa aprendizado ao longo da vida, ou aprendizagem constante, está sendo cada vez mais usado, dada a diminuição do prazo de validade dos nossos conhecimentos. Tudo muda o tempo todo e, se quisermos manter nossa marca pessoal competitiva, temos que entender a importância de estarmos em aprendizagem contínua e buscar cada vez mais ampliar nosso repertório diversificando temas e experiências.

Quando falamos de trabalho, existem muitos futuros prováveis sendo explorados. Algumas pessoas, morrendo de medo de perder seus empregos para os robôs, escolhem sentar e esperar pra ver no que vai dar, enquanto outras, de maneira proativa, assumem a mudança e decidem cuidar de seu futuro profissional da melhor forma possível.

E você? Já fez a sua escolha?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *