QUARENTENA: FIQUE EM CASA, MAS FIQUE BEM!

É fato: estamos vivendo um momento de altíssima demanda por competências emocionais.

Precisamos, nesse momento, nos voltar para aquilo que mais importa, reaprender a viver como há muito não vivíamos e aprender a trabalhar, em nós mesmos, comportamentos – e pensamentos – que nos ajudarão a passar por tudo isso de uma maneira mais efetiva e menos traumática.

Uma das principais recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS) tem sido evitar aglomerações e, com isso, a orientação é que as pessoas permaneçam em suas casas.

Para quem trabalha, a palavra da vez é home office.

Muitas empresas e pessoas, até por nunca terem precisado, não estavam preparadas para isso, tanto em termos de tecnologia, quanto, principalmente, em relação a processo e à cultura de home office. Exatamente por esse motivo, publicações com dicas de passo-a-passo para se manter o foco e a produtividade trabalhando de casa aumentaram significativamente.

O ponto é que não estamos apenas falando de home office.

Estamos falando de home office em um momento muito delicado, recheado de incertezas, onde o isolamento pode contribuir ainda mais para sensibilizar e desestabilizar as pessoas.

No contexto profissional, precisamos falar sobre o papel das lideranças.

Os líderes das empresas precisam, mais do que nunca, ter a consciência do “duplo chapéu” que possuem: se por um lado estão vivendo esse mesmo momento, também preocupados com a sua segurança e de suas famílias, e vivendo as mesmas incertezas dentro das empresas, por outro precisam manter o equilíbrio emocional e a positividade, dando exemplos de comportamento e tendo em mente que existe uma equipe que os observa o tempo todo, fazendo deles o “termômetro” através do qual ficarão mais ou menos seguros, dependendo do que observarem.

Sim, você líder tem essa responsabilidade e precisa se manter forte para poder fortalecer a sua equipe. Esteja atento a si mesmo e ao seu time.

O contexto pessoal não é diferente: cada um de nós, de maneira individual e coletiva, também precisa entender que o momento exige uma dose extra de cuidados para nos mantermos fortes emocionalmente. Nesse momento, competências como Inteligência Emocional Empatia poderão fazer toda a diferença.

Inteligência Emocional deverá ser a grande protagonista disso tudo; a base para a utilização e manutenção de todos os outros comportamentos necessários no momento. Sem o equilíbrio emocional não seremos capazes de manter a clareza de pensamentos necessária para entender o que a situação nos exige e muito menos estaremos aptos a organizar nossos pensamentos e nos direcionarmos para a ação.

Empatia, que tanto tem sido falada – e postada – dessa vez deverá ser praticada. Precisamos expandir nossos pensamentos para além de nós mesmos; avaliar os impactos de cada uma de nossas ações e decisões no todo; e termos a sensibilidade de reconhecer e dar suporte às pessoas que, por algum motivo, estejam com maior dificuldade de permanecerem fortes.

Assim como dito sobre a liderança, nesse momento nós também somos responsáveis por olhar e apoiar as pessoas que nos cercam.

Nesse sentido, uma reflexão sobre nossos Valores também é de grande valia, pois precisamos entender em qual nível de consciência estamos operando. É hora de trabalharmos para evoluirmos no sentido de termos como base das nossas ações valores cada vez menos individuais e mais coletivos. Essa evolução será fundamental para que a gente possa passar por tudo isso não como indivíduo, mas como humanidade.

O desafio não é pequeno, mas existem algumas dicas simples que podem fazer toda a diferença para o seu equilíbrio emocional:

  1. PRATIQUE O AUTOCONHECIMENTO: OBSERVE-SE COM MAIS FREQUÊNCIA

É normal se sentir mais ansioso em momentos como esse, mas você precisa reconhecer quando algo estiver diferente e agir para que esse sentimento não te paralise.

Se você sentir que o seu nível de ansiedade passou um pouco dos limites pare e respire. Tente tirar o foco de si mesmo. Não se trata apenas de você. Estamos falando de algo que o mundo inteiro está passando e sob o qual temos pouco ou nenhum controle. Não se cobre tanto. Você pode não ter controle sobre as coisas que estão acontecendo, mas poderá escolher como quer passar por isso.

  1. MANTENHA-SE ATUALIZADO, MAS SEM EXAGEROS!

Estamos sendo bombardeados com notícias por todos os lados, o que tende a aumentar, e muito, a nossa ansiedade.

Selecione uma fonte confiável de notícias para se manter atualizado, mas também selecione outros temas de interesse para tirar o foco apenas do problema.

Aproveite que muitas instituições estão liberando conteúdos gratuitamente: faça cursos, leia livros, ouça podcasts… você se distrai e, de quebra, dá aquela “turbinada” no seu repertório.

  1. APROVEITE O TEMPO LIVRE – OLHE PARA O “LADO CHEIO DO COPO”

Há muito tempo corremos contra o relógio, com pouco ou nenhum tempo pra nós mesmos. Que tal aproveitar o isolamento para estabelecer uma nova rotina, incluindo tudo aquilo que estava ficado de lado?  Descanse, medite, curta a sua família, ouça uma boa música, fale com aqueles amigos que faz tempo que você não encontra, brinque com seus filhos, use a criatividade – e a tecnologia – para se exercitar dentro de casa…

Dizem que são as épocas difíceis que formam homens mais fortes.

Manter-se consciente da situação e trabalhar diariamente para se desenvolver emocionalmente te ajudará não só a passar por essa fase da melhor forma possível, mas tirar dela boas lições e sair muito mais fortalecido do que entrou.

Fique em casa.

E fique bem.

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *